quinta-feira, maio 17, 2012

Ooops!...

Eu encontro cada pessoa mais estúpida que acho que se a estupidez pagasse imposto estavam carimbados. Acabei de falar com uma pessoa, que ao saber que ando de cadeira perguntou se eu conseguia fazer sexo. 

Respondo com este texto do meu amigo P.

"Podem não acreditar, mas muitas pessoas me perguntam
visto que eu  ando de canadianas e de cadeira de rodas
se eu mexo o meu "corpo" todo . . . . ao que eu respondo . . . .
sim, eu só me desloco de maneira diferente mais nada
de resto sou igual aos demais, como, bebo, ganho e gasto euros
tenho amigas, amigos, sofro de bom gosto com diz alguém que eu conheço
só não namoro ainda, mas isso também acontece a todos, peace .... !
FUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII . . . . !

Não façam perguntas idiotas, porque as respostas iram
ser tal e qual as perguntas !"

E sexo faz-se como toda a gente faz. Por favor, deixem de tratar uma pessoa de cadeira como um deficiente!

Baci*



5 comentários:

  1. olá. é Claro que uma pessoa de cadeira de rodas, consegue ter sexo. preconceito e pergunta estúpida. O parceiro apenas tem de se adaptar ás condições da parceira e vice versa, mas o prazer é o mesmo, igual ou ainda maior que as outras pessoas. Há uns anos comentei um blog teu e hoje encontrei-o. Lembro-me do nome Danizitha, lembro-me de a pessoa ser de Gaia. Deves ser a mesma pessoa, mas o blog tá diferente e ali em cima diz blog oficial. Eu quando comentava o teu blog, um dia tentei entrar e não consegui e no outro dia também. Na altura não me apercebi que andavas de cadeira de rodas. E também podes conduzir, tens é de ter carro adaptado a isso. lamento a doença da tua madrinha. Hoje, eu encontrei um primo meu no Comboio, que tem um tumor. É do Marco de Canaveses e vem sozinho para o Porto. A mulher dele bem que podia vir com ele :( . os filhos tomam conta da loja de móveis e ele não quer dar trabalho a ninguém. Tenho mais uma tia com um tumor e a filha da minha empregada, foi operada a tumor benigno. É uma doença maldita. Um blog meu, chamava-se Amor do Nuno ( quando estava apaixonado pela ex-namorada ) e passou para espacodonuno e agora é outro, o Apenas umas letras. beijos e um abraço. Nuno Medon

    ResponderEliminar
  2. Posso passar por ignorante também, mas essa crítica não me parece muito justa. Há certas coisas de que só nos apercebemos quando temos alguém próximo, ou somos nós próprios, a passar por ela. A questão que te fizeram é uma que eu não saberia responder, claro que seria fisicamente possível, mas no caso de haver perda de sensibilidade nos membros inferiores, até que zona é que essa perda vai e, caso afecte a zona genital, haverá desejo de realmente ter relações sexuais.

    Podem parecer perguntas parvas, mas o público geral não tem muita informação acerca do assunto e fará perguntas que parecem ser óbvias.

    ResponderEliminar
  3. Desculpa? Até um tretrapelégico consegue. E um tretrapelégico não se mexe. São perguntas idiotas sim e quando uma pessoa diz que está de cadeira perguntam logo se consegue fazer sexo?

    O mal dos portugueses é que fazem de nós uns coitadinhos. E eu, pela milésima vez digo, eu não sou deficiente, coitadinha ou aleijadinha. Faço tudo o que as outras pessoas fazem, tenho tudo o que as outras mulheres têm, simplesmente me desloco de forma diferente.

    Se há pessoas na minha situação que se dão à doença e gostam de ser tratadas como umas coitadinhas, o problema ai já é delas.

    Eu luto contra, não me acomodo. E se queres saber, nem se quer me lembro que ando numa cadeira.

    E perguntas parvas como esta são sinónimo de preconceito, que é o problema da maioria dos portugueses!

    ResponderEliminar
  4. Ninguém fala em não conseguir, como já disse antes a dúvida tem a ver com a sensibilidade na zona genital. É claro que consegue, o corpo existe e tem fluxo sanguíneo, não há razão nenhuma para não conseguir.

    Ninguém diz que as pessoas de cadeira de rodas sejam coitadinhas - ninguém é coitadinho a não ser que se faça disso. Mas é uma situação diferente e, como tudo o que é diferente, suscita curiosidade.

    Acredito que haja muito preconceito, mas neste caso parece-me mesmo falta de informação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa falta de informação deve-se a preconceito. porque infelizmente ainda somos discriminados e as pessoas só se preocupam com estas coisas quando acontece algo aos seus.

      Uma prova disso, foi uma vizinha minha que para ela isto não era nada. Até ao dia em que o filho morreu com tumor na cabeça, desde aí até se aproximou

      Eliminar

Seguidores

Subscreve-me por mail